Conselhos para preparar a sua viagem à Índia


Recomendações antes de viajar à Índia.

Ao viajar à Índia, presume-se que desfrutará de todos os cinco sentidos. Pela cor das suas ruas e pela beleza dos seus palácios, templos e paisagens; pelo barulho das suas ruas e mercados movimentados ou pela simples passagem de um tuc tuc; pelo sabor da sua cozinha; pelo cheiro de incenso, flores e especiarias; pelo calor que sentimos do povo, pela água nas praias ou pelo clima caraterístico do país.

Recomendamos que planeie ao máximo a sua viagem à Índia, para que tenha tudo em ordem antes da partida. Não apenas procedimentos necessários que tenha que realizar em Portugal, como a documentação, vacinas, voo, alojamento ou seguro de viagem, mas porque na Índia a gestão de tempo, os serviços e o clima são muito diferentes dos nossos.


Documentação para viajar à Índia.

- Passaporte com uma validade mínima de 6 meses.

- Visto: o mais solicitado é o de turista, que pode ser realizado online. O e-Tourist Visa tem uma validade de 30 dias a partir do dia em que aterramos no país e apenas permite uma única entrada e duas solicitações por ano. Aconselha-se levar fotocópias do passaporte, visto e reservas da viagem separadas dos originais. Recomendamos que vá ao site do MNE para saber como atuar em caso de perda ou roubo do passaporte, embora seja recomendado contactar de maneira imediata a Embaixada.

- Registo do Viajante: antes de viajar ao estrangeiro, é preferível que registe os seus dados no MNE para facilitar o contacto em caso de situações de emergência ou necessidade.


Voos para a Índia.

Como viajar para a Índia? Caso pretenda que a sua viagem para a Índia não saia do pressuposto, e se for o próprio a comprar os bilhetes, compensa estar atento aos preços que aparecem todos os dias nos websites de reservas, visto que as companhias aéreas alteram as tarifas com frequência.

Quanto custa viajar para a Índia? À data da elaboração deste artigo, ao introduzir "voos baratos para a Índia" no google, os preços mais económicos rondam os 600 euros. No entanto, se dependemos de datas concretas de ida e/ou volta ou de voos de escalas, o cenário é outro. É por isso que a antecipação na procura do seu voo é fundamental porque poderá viajar para a Índia de forma barata.


Alojamento na Índia.

O tipo de viagem que quiser realizar à Índia dependerá em grande parte do tipo de alojamento que escolher. É uma experiência totalmente diferente ir como backpacker e realizar paragens em albergues ou quartos baratos, em contacto próximo com os habitantes locais, do que alojar-se em hotéis de grande qualidade porque prefere assegurar o conforto, a higiene e menus adequados. Estas são as opções que existem:

- Guesthouses ou B&B: é o mais acessível. Recomendamos que os procure em motores de busca atualizados. Os taxistas e condutores geralmente recomendam este tipo de alojamento para receber a comissão correspondente. Os preços e a procura variam dependendo da região e da data em que viajamos. Ao reservá-los, deverá ter a certeza que são tranquilos e pouco ruidosas. Existem quartos que têm ar condicionado, mas podemos chegar a pagar muito por um aparelho barulhento e que não funciona bem. O mais normal é encontrar quartos com ventiladores no teto. Além disto, existem campings ou albergues juvenis (com cozinha e parking) em todo o país, cujos quartos estão divididos em masculinos e femininos.

- Bungalow: vivendas próprias de zonas turísticas de praia ou campo que geralmente possuem um quarto, casa de banho e, às vezes, uma cozinha-sala com televisão e outros eletrodomésticos.

- Casas flutuantes: vivendas em barcos ancorados em rios e lagos com vários quartos, casas de banho, eletricidade e água potável. O conforto e a qualidade das instalações variam de acordo com as categorias (luxo, A, B ou C).

- Hotéis: se está à procura e um hotel de estilo ocidental, encontrará na maioria das grandes cidades e complexos turísticos. Os preços são moderados em comparação com outros países. Nas oficinas de turismo do governo da Índia pode conseguir uma lista completa de estabelecimentos de alojamento supervisados pelo governo. A classificação dos hotéis na Índia vai desde 5 estrelas ou 5* grande luxo (que costumam ser os antigos palácios ou havali reabilitados e em locais de sonho) até aos de 1 estrela. Os de 4 estrelas costumam ter ar condicionado em todos os quartos, ao contrário dos de 3 estrelas, que não tem em todos.


Precauções de saúde ao viajar à Índia.

Geralmente, as condições sanitárias são precárias, embora nas grandes cidades seja possível receber assistência médica de qualidade, nos hospitais privados, que além de caros, exigem pagamento antecipado. Nas zonas rurais, pode ser difícil encontrar atendimento médico. Quanto a preços, oscilam desde uma consulta por 50 euros em alguns hospitais até 1500 euros por cada noite de internamento em centros privados. O mesmo acontece com o acesso a medicamentos. Deverá levar todos os medicamentos necessários consigo, como antiinflamatórios, analgésicos, gastrointestinais e algum repelente de mosquitos.

Relativamente às vacinas necessárias numa viagem à Índia, é obrigatória a da febre amarela para os viajantes procedentes de área infetadas. São recomendadas as da hepatite A e B, tétano, cólera e febre tifoide. O mais acertado é consultar o site do Serviço Nacional de Saúde, onde contém informação sobre as mesmas e sobre a consulta do viajante.

De todas as formas, ao chegar à Índia é normal que tenha algum problema intestinal ou a famosa "diarreia do viajante". Por muitas precauções que tome, expõe-se por diversas vias a microorganismos aos que o seu sistema imunitário não está habituado a enfrentar. Mas não se preocupe, geralmente são sintomas que não nos tiram a vontade de visitar um país maravilhoso, como é o caso da Índia.


Seguro de viagem à Índia.

Adquirir um seguro de viagem adequado para ir à Índia, uma viagem que, como já dissemos, requer muita antecedência nas reservas de transporte, alojamento e excursões. Um seguro de viagem oferece-nos tranquilidade por estarmos cobertos em casos de cancelamento. Além disto, as maiores preocupações após ter iniciado a nossa viagem são a possível interrupção, perda de bagagem, roubos e sobretudo, a assistência e gastos médicos num país como a Índia.

Estas e outras coberturas adicionais como as destinadas à prática de desportos de risco, devem estar incluídas numa apólice completa, como a que requer o destino em questão.


Melhor época para realizar uma viagem à Índia.

O que saber antes de viajar para a Índia? Ao escolher a data para realizar a viagem à Índia, é necessário ter em conta vários fatores, um deles o clima. O clima na Índia divide-se em três estações: uma de temperaturas moderadas (mais frias nas montanhas) e céus limpos, que vai de outubro a fevereiro; outra calorosa (mais quente na costa), de março a junho; e a de chuvas, com temperaturas mais suportáveis, que ocorre de junho a setembro.

Obviamente, a temporada mais turística da Índia, sobretudo no sul do país, é a moderada. Durante o resto do ano é necessário ter em conta que, sobretudo em maio e junho, no centro e sul do país, as temperaturas superam os 45 graus, pelo que é a época ideal para visitar as zonas montanhosas. Por outro lado, na altura das monções, as chuvas podem chegar a ser agressivas e chegam a provocar fortes inundações, cortes na estrada e interrupção nas telecomunicações.

Se viajar à Índia e praticar desportos de montanha, montanhismo ou acampamento, procure não fazê-lo nestes meses de verão onde as intensas tormentas elétricas podem provocar avalanches e deslizamentos de terras. Além disto, deverá ter em conta que em áreas de montanha com altitudes superiores a 3.000 metros, as autoridades indianas não são obrigadas a resgatar estes desportistas. Não obstante, se for um aventureiro que desafia as alturas, deverá contratar um seguro desportivo que cubra altitudes superiores.


A Índia é um país seguro?

É uma das primeiras questões que surgem quando pretende viajar a um país como a Índia: longe, com uma cultura diferente, com muita população e com um rendimento per capita muito inferior ao de Portugal. Os cidadãos da Índia costumam ser afáveis, calmos, respeitosos e tolerantes com os estrangeiros. Talvez porque estes também são curiosos, e é normal que os turistas se tornem no centro das atenções, recebendo um olhar estranho de surpresa por parte dos habitantes locais.

Sobre os níveis de segurança na Índia, o MNE recomenda evitar mercados, manifestações e grandes aglomerações, sobretudo durante festas importantes. Não obstante, a segurança foi reforçada nos lugares públicos nos últimos anos mas, infelizmente, qualquer país do mundo está atualmente exposto a possíveis ataques terroristas.

Vamos centrar-nos em questões de segurança que podemos evitar se cumprirmos certas regras de sentido comum quando se visita um país estrangeiro e tão distinto do nosso.


Conselhos de segurança.

Se quiser passear pelas ruas, é aconselhável não o fazer à noite e em zonas de pouca afluência ou utilizar meios de transporte como os autorickshaws. Se se mantiver em lugares com mais aglomeração (estações, mercados...), terá que ter cuidado com os seus pertences para evitar furtos, e ter especial cuidado com o passaporte, já que são frequentes as roubos e perdas do mesmo. Caso seja roubado, convém realizar uma denúncia, especialmente se tiver contratado um seguro de viagem, desta forma é possível recuperar o dinheiro roubado ao retornar ao país de origem.

Se se deslocar em carro, é importante evitar estradas secundárias em horário noturno e, segundo recomendações do MNE, optar por ir em táxi até certos aeroportos, como o de Mumbai.

Tenha também em consideração que existem golpes muito bem organizados e dirigidos especialmente aos turistas estrangeiros, como por exemplo, os preços elevados de serviços locais, pagamentos não autorizados em cartões de crédito ou que sugerencias de hotéis "melhores" que o seu porque este "está fechado ou não existe". Nas cidades mais visitadas do país existe uma esquadra da polícia turística que oferece assistência e recebe denúncias sobre os serviços ou estabelecimentos que tenham tentado enganar os visitantes estrangeiros.

Se quiser comprar algum lenço, tenha atenção aos tecidos. Deverá recusar o Shahtoosh, realizado com pele de antílope tibetano, já que tanto a tendência como a aquisição do mesmo é um considerado um grave delito. Deverá também exigir uma factura detalhada que certifique que o tal lenço comprado não contém esse material. Respetivamente aos lenços de pashmina, deverá assegurar-se de que estes têm a qualidade que aparenta.


Como movimentar-se na Índia?

- Num país com muitos habitantes como a Índia, é recomendável reservar o transporte com antecipação, sobretudo no caso do comboio. Por isso, é ideal planear um itinerário das cidades que pretende visitar para poder obter um ingresso. No site do IRCTC pode reservar tickets por escrito e anexar uma cópia do passaporte. Ao chegar à estação, é muito importante levar o e-ticket imprimido e o nosso passaporte para poder entrar no comboio.

Relativamente à qualidade dos comboios, existem 8 diferentes tipos, consoante haja ou nao ar condicionado, que tenha mais ou menos beliches, se fecha ou não com portas ou a comodidade dos assentos. As mulheres que viajam sozinhas têm certas vantagens na Índia: filas exclusivas na estação para comprar o bilhete ou viajar numa carruagem específica.

- Se não tiver um bilhete para o comboio e preferir realizar longos percursos de autocarro, pode optar pelo sleeper bus, um autocarro com beliches a um bom preço.

- Para distâncias curtas existe o metro nas principais cidades do país, o Bus Rapid Transit System (BRTS), o autorickshaw ou o tuc tuc (coloridos triciclos motorizados cobertos e sem portas). Estes últimos costumam ter um contador de passos ou uma lista de tarifas que não se costuma respeitar. Se decidir andar num tuc tuc, peça ao condutor para mostrar os preços, que são importantes para negociar antes do embarque, especificando que cobrem o total de pessoas. Leve também o montante exato.

- Se preferir optar por um táxi, é recomendado contratá-los na praça de táxis pré-pagos do aeroporto ou reservar um táxi de uma empresa conhecida através do hotel.

- Conduzir um carro não é o mais recomendável. É necessário ter muito cuidado e evitar fazê-lo durante a noite e por estradas secundárias. A Índia é um país com uma infraestrutura muito precária e é o segundo país do mundo com mais acidentes rodoviários.


O que comer na Índia?

Para os amantes dos pratos com sabores fortes, com especiarias e aromas, e sempre picantes, por muito que especifiquemos que não... A comida indiana é muito deliciosa. Apenas há que ter em conta que na maior parte dos estabelecimentos que servem comida ou bebida as medidas higiénicas não são as mais adequadas.

Por isso deverá comer tudo bem cozinhado, evitar produtos crus como as frutas ou legumes sem descascar ou as saladas. Nas barracas que vendem comida na rua, além do problema da higiene, podem reutilizar várias vezes o azeite para fritar e este pode não ser de boa qualidade. E claro, deverá beber água mineral engarrafada e selada.


Moeda e pagamentos ao viajar para a Índia.

Se levar consigo dinheiro, em numerário, numa quantidade superior a 10.000 €, será necessário declará-lo à saída de Portugal no aeroporto. Ao chegar à Índia, poderá trocar o dinheiro no aeroporto, numa casa de câmbio (cobram pequenas comissões) ou em alguns hotéis. Também existe a opção de levantar dinheiro das caixas multibanco. No entanto, as comissões ascendem a uma média de 7-8 euros, pelo que deverá levantar quantidades relativamente grandes. Não é permitido remover a moeda indiana do país (alguma moeda ou nota de baixo valor é permitida como lembrança); portanto, deverá guardar os comprovativos dos câmbios de euros a rupias, caso queiramos convertê-las em euros novamente, antes de regressar a Portugal e porque o câmbio no mercado negro é punido por lei.

O cartão de crédito é aceite em restaurantes de certo nível, hoteis e lojas especializadas. No pequeno comércio não costumam ter troco para notas grandes, pelo que convém ter uma pequena quantidade de notas de 100 rupias. Não são aceites pagamentos com notas rasgadas ou muito usadas. E também não deverá aceitá-los se o for entregue como troco.

Existe o costume de dar gorjeta na Índia, sobretudo no setor do turismo, como o serviço turístico, rececionistas de hotéis ou aeroportos, condutores privados, guias turísticos... E outro conselho interessante, talvez chegue a pagar por aceitar curiosas propostas que jamais pensaria que custassem dinheiro, como por exemplo, tocar num elefante. Não se esqueça de perguntar sempre o preço daquilo que lhe oferecerem por simpatia ou por mais inocente que pareça. Esperamos que estas dicas para viajar à Índia tenham sido úteis para si.  

Utilizamos cookies para te proporcionar a melhor experiência possível. Mais info.

fechar