Trekking no Nepal: comece com este guia de viagem


Viagem ao Nepal: conselhos e requisitos.

Já alguma vez pensou em fazer trekking no Nepal? Até agora, todos os viajantes que o fizeram, voltaram com um enorme sentimento de satisfação. E é que, colocar um pé nos Himalaias, é colocar um pé numa cadeia de montanhas que abriga cumes com altitudes recordes, como o Everest, a montanha mais alta do mundo ou a Annapurna, uma das montanhas mais difíceis para escalar.

Viajar ao Nepal para fazer trekking não é apenas uma oportunidade única para se superar e desfrutar de magníficas paisagens de montanha; também permitirá aprender sobre a comunidade local, os sherpas, cuja experiência será imprescindível para completar a sua aventura com êxito.

Não espere pelo contacto com os sherpas para descobrir como fazer trekking no Nepal, informe-se primeiro antes de viajar. Neste guia de viagem, poderá resolver as suas dúvidas e informar-se sobre os diferentes requisitos e conselhos para desfrutar da sua viagem de uma maneira segura.


É melhor fazer trekking no Nepal por conta própria ou por agência?

Deverá ter muitas dúvidas sobre fazer trekking no Nepal. O que responderemos a seguir é uma das perguntas mais frequentes feita pelos viajantes: é seguro viajar ao Nepal para fazer trekking por conta própria?

Fazer trekking no Nepal por conta própria ou por agência depende muito do tipo de experiência que estiver à procura. Se viajar com muita informação e com uma boa preparação, ambas opções são completamente viáveis e seguras, mas quais são as principais diferenças entre elas?

Primeiro, tenha em conta que fazer trekking no Nepal por conta própria significa que deverá assumir toda a organização, peso da viagem e trilhos, isto é, documentação, reservas, itinerários, preparação e carregar os equipamentos, entre outros.

Enquanto que, ao viajar para o Nepal e fazer trekking através de uma agência de viagens evitará preocupações com muitos dos passos mencionados anteriormente, embora seja recomendável que compare muito bem as empresas para avaliar a sua oferta, experiência e compromisso com os princípios do turismo responsável, entre os que se encontram no meio e comunidade local. Uma das principais atrações do trekking no Nepal é a relação com a comunidade local, como os sherpas, guias e carregadores. 

Fazer trekking por conta própria significa ir ao seu próprio ritmo. Escolher os itinerários e a sua duração, incluir descansos - importantes para prevenir o mal estar de altura - e improvisar. Deverá organizar os meios de transporte, alojamentos e refeições no destino. Existem trilhos que podem incluir o deslocamento em avioneta para aceder a lugares remotos.

Muito provavelmente, uma viagem de trekking ao Nepal por conta própria será mais barata que uma organizada por uma agência de viagens, já que evitará pagar extras e salários de terceiros, que incluem os da agência, empresas de transporte e alojamento, refeições e guias, etc.

Se preferir fazer trekking no Nepal por conta própria, serão os carregadores que o libertarão de carregar o peso da mochila. Apenas terá que levar consigo uma outra mochila pequena com água, lanches, documentos, telemóvel, câmeras, dinheiro e roupas de emergência. Ao fazer trekking por conta própria, notará como dia após dia as suas costas se fortalecem e as dores que tenha irão diminuir. Poderá deixar parte do seu equipamento em algumas acomodações e ir buscá-lo no regresso.

É aconselhável que se informe adequadamente sobre os requisitos e passos a seguir para fazer trekking no Nepal, uma experiência que envolve uma série de peculiaridades e riscos que pode não ter encontrado noutras viagens. Mais à frente, iremos informá-lo sobre alguns deles, como o mal estar devido à altitude e outras recomendações de saúde.


Onde e quando ir ao Nepal para fazer trekking?

O Nepal tem um clima temperado durante quase todo o ano. Existem duas estações principais: a estação seca e a das chuvas.

Entre junho e setembro a região encontra-se sob a influência de chuvas frequentes, nas zonas baixas e médias.

Os melhores períodos para trekking no Nepal são, portanto entre março e maio, e de outubro a novembro. No primeiro período (entre março e maio), encontrará um clima muito quente, especialmente durante o dia. Poderá, ocasionalmente, cair chuva durante umas horas, especialmente durante a noite. No segundo período (de outubro a novembro), a temperatura mais fresca e os dias mais claros permitirão que desfrute de vistas impressionantes. No entanto, cada região tem as suas particularidades, as quais iremos detalhar em função da sua viagem de trekking no Nepal.

Dolpa, Mustang, Humla, Mugu.
Estas regiões pertencem à Transhimalaya (planalto tibetano pertencente ao Nepal) são ideais em abril, maio, junho e a finais de setembro, outubro e novembro. São considerados passeios de verão, e deverá calcular alguns dias adicionais para reservar voos internos que conectem estas regiões com os centros urbanos.

Annapurna, Manaslu, Makalu, Kanchenjunga, Gosaikunda.
Estas regiões são ideais de fevereiro a junho e entre finais de setembro e meados de dezembro. No período de dezembro a fevereiro, poderá ser difícil subir os altos degraus dessas caminhadas devido à queda de neve, que poderá bloqueá-los durante alguns dias.

Acampamento base do Everest.
A temporada alta acontece entre março e maio e de outubro a novembro. Embora até meados de setembro o clima possa ser similar a outubro e a afluência seja menor.


O que é que não deve faltar na sua mochila de trekking no Nepal?

A roupa e a mochila dependem do tipo de trekking que pretenda realizar. As trilhas dos Himalaias alcançam sempre altitudes e temperaturas que podem ser muito duras, especialmente durante a noite. Também deverá levar roupa adequada para as horas de maior calor. Indispensáveis na mochila são o casaco corta vento, gorro, botas de trekking, meias de lã, calças corta vento, casaco polar, camisa de caminhada e outras de algodão, gorro de lã, luvas, boné, óculos de sol, protetor solar e de lábios, bastões, saco cama e lanterna. Para a maioria dos trilhos não são necessários polainas, cordas e arneses. Por isso, convém consultar muito bem as especificações do seu trilho antes de viajar.

A água é indispensável na sua mochila de trekking no Nepal. É recomendável beber entre 6 a 8 litros de água por dia para não se desidratar e prevenir o mal estar devido à altitude. Conforme suba, o seu preço será mais caro. Leve consigo garrafas com filtros de água para evitar ter que comprar muitas garrafas.

A alteração da altitude e a consequente oscilação térmica, com o efeito do sol, do vento e outros fenómenos meteorológicos, fazem com que devamos ter muito em conta o que devemos levar dentro da mochila de trekking no Nepal.

Convém levar a quantidade necessária e suficiente de medicamentos durante o período de viagem.


É seguro fazer trekking no Nepal?

Para fazer trekking no Nepal por conta própria ou por agência é necessário ter um certo nível de preparação física, capacidade de resistência e sofrimento. Existem trilhos para todos os gostos e para todos os níveis; desde grandes circuitos para montanhistas experientes a pequenos trilhos ideias para conjugar um pouco de montanha com umas férias.

Em média, as caminhadas diárias não costumam superar as 5 ou 6 horas e os desníveis não devem superar os 500 ou 600 metros positivos. Caso contrário, o cansaço acumulado, a altura e a falta de oxígeno começaram a pesar. Por isso, além de estar preparado a nível físico, é importante estar também preparado mentalmente. Informações detalhadas sobre a sua trilha e um treino adequado aumentarão as probabilidades de não fracassar durante a sua viagem de trekking no Nepal.

Indicaremos outras importantes recomendações de saúde que deverá ter em conta ao fazer trekking no Nepal.


Vacinas no Nepal.

Não existem vacinas obrigatórias para viajar ao Nepal desde Portugal. No entanto, convém ter o boletim de vacinas atualizado. Podem ser recomendadas outras vacinas, cuja prescrição deverá realizar pessoalmente num Centro de Vacinação Internacional.

A vacina contra a febre amarela é exigida a quem viaje para o Nepal desde áreas com risco de transmissão, não sendo o caso de Portugal. Às vezes, recomendam a vacina contra a febre tifóide oral e a hepatite A e B, a da raiva, meningite meningocócica (para quem pretender fazer trekking durante mais de 7 dias), pólio e a encefalite japonesa. É também recomendado a profilaxia antipalúdica, especialmente se tiver a intenção de visitar a região de Terai, na Índia.


Mal de altitude e trekking no Nepal.

Um dos riscos dos desportos de montanha a grandes altitudes, como o trekking no Nepal, é o mal de altitude, uma doença causada pela falta de oxigénio a grandes altitudes. Pode ser mais ou menos grave e, se nao for tratado, pode ser letal. Dependendo de cada pessoa, o mal de altitude pode começar aos 2500 metros de altitude, mas os sintomas preocupantes geralmente ocorrem aos 3500 metros.

Os sintomas do mal de altitude são dores de cabeça, vómitos, náuseas, cansaço, irritabilidade e, em casos mais sérios, confusão, falta de ar e até mesmo poder entrar em coma. Estas condições tendem a desaparecer em poucas horas ou em um dia, ao regressar a altitudes mais baixas. Ignorar estes primeiros sintomas e não receber os cuidados médicos adequados, ou continuar a esforçar-se para subir a montanha, pode agravar a doença e causar efeitos irreversíveis.


Seguro de viagem para fazer trekking no Nepal: é obrigatório?

O Nepal não exige seguro médico de viagem aos turistas, mas se vai realizar trekking no país, existem muitos motivos para afirmar que contratar um seguro para viajar ao Nepal é imprescindível, e não apenas pelo mal de altitude e outras doenças próprias do país.

Abaixo, enumeramos várias razões para viajar com o seguro de trekking ao Nepal.

1. O seguro de viagem é necessário para obter a permissão de trekking no Nepal.
Se vai fazer trekking no Nepal por conta própria ou por agência, necessitará obter uma permissão. Realizar trekking sem este documento é ilegal. As entidades responsáveis por este procedimento exigem fotografias pessoais e uma fotocópia do seguro de viagem.

O TIMS Card (Trekkers' Information Management System) é um green card emitido por agências de trekking autorizadas, nos escritórios da TAAN (Trekking Agency Association of Nepal) em Katmandu ou em Pokhara e no escritório de NTB (Nepal Tourism Board). Em caso de emergência, os cartões permitem localizar os montanhistas. O preço do TIMS Card é de 10 dólares para os que viajam com agência de viagens e 20 dólares para quem viaja por conta própria.

Além disto, dependendo do trilho, deverá obter o ticket de entrada a parques nacionais como o de Sagarmatha, pertencente à trilha do acampamento base do Everest. Custa 30 dólares e é agrafado à permissão de trekking.

2. O seguro de viagem permitirá o resgate em montanha, transporte em ambulância ou repatriamento.
O seguro de trekking ao Nepal deverá ter uma cobertura de resgate em montanha, também em helicóptero, assim como a de transporte sanitário e repatriamento a Portugal em caso de acidente ou falecimento. Nem todos os seguros de viagem cobrem grandes altitudes. Comprove que o seu cobre a altura máxima prevista na sua trilha de trekking. No caso do seguro desportivo Totalsports da InterMundial, estará coberto até aos 5.000 metros de altitude.

3. Estará coberto por qualquer problema de saúde ou acidentes, estando ou não a praticar trekking.
As condições sanitárias no Nepal são precárias. Além disto, costumam requerer o pagamento imediato. Por isso, é imprescindível contratar um seguro de viagem com uma boa cobertura de assistência e gastos médicos. O Totalsports, funciona como um seguro médico desportivo e de viagem, para que esteja coberto a nível médico de qualidade durante toda a sua viagem.

4. O seguro de viagem permite poupar em gastos extra derivados de incidentes de uma viagem ao estrangeiro.
O seguro desportivo Totalsports também o protegerá em atrasos de voos ou overbooking, danos ou roubo de bagagem, responsabilidade civil (danos a terceiros), cancelamento ou interrupção da viagem por diversos problemas.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros, nos conselhos aos viajantes ao Nepal, recomenda a contratação de um seguro de viagem que cubra as emergências resultantes da prática de trekking/montanhismo. Aconselham também o registo de todas as suas deslocações no Registo do Viajante e entrar em contacto com a Embaixada de Portugal em Nova Deli (através do 0091 1146071001 ou pelo consular@portugal-india.com) e informar as datas, planos de viagem e deslocações, como uma medida de precaução).


Visto para o Nepal.

Se vai viajar ao Nepal para fazer trekking ou por motivos turísticos, deverá emitir um visto. Existem duas formas de consegui-lo: no aeroporto ou nas fronteiras. Os requisitos necessários são: passaporte com validade mínima de 6 meses, uma folha em branco no passaporte, 2 fotografias tipo passe, formulário e pagamento em numerário. No site do Departamento de Imigração do Nepal encontrará informações importantes, em inglês.

Os tipos de visto e preços são os seguintes:
Multientrada 15 dias: 35 €
Multientrada 30 dias: 55 €
Multientrada 90 dias: 120 €

Obter o visto à chegada no Tribhuvan International Airport de Katmandu é mais económico do que fazê-lo em Portugal. Aqui é necessário passaporte com uma validade mínima de 6 meses, formulários e pagamento em numerário.

Os tipos de visto e preços sao os seguintes:
Multientrada 15 dias: 25 $
Multientrada 30 dias: 40 $
Multientrada 90 dias: 100 $


Pagar no Nepal: em rupias ou em dólares?

A moeda oficial do Nepal é a rúpia nepalesa (NPR), embora que para certos pagamentos como os do visto ou excursões são solicitados dólares. À data deste post, 1 euro equivale a 133,41 rúpias nepalesas.

Por isso, o mais recomendável antes de viajar ao Nepal para fazer trekking é trocar euros por dólares e, uma vez no país, trocar para rúpias. É recomendado guardar os recibos relativos às trocas de moeda. Nas grandes cidades existem caixas de multibanco automáticas, que cobram uma comissão adicional por levantar dinheiro.

Tenha em consideração que o preço de muitos serviços associados ao trekking no Nepal (wi-fi e água quente nos alojamentos, garrafas de água, etc.) vai subindo conforme aumenta a altitude de cada cidade.


Há Internet no Nepal?

A resposta é sim, embora não tão omnipresente como em Portugal. Nas principais trilhas de trekking no Nepal existem pontos de conexão. Além disto, as zonas de wi-fi, grátis ou pagas, estão disponíveis em muitos lounges ou tea houses (alojamentos na trilha), restaurantes e cibercafés. Se pretender conectar-se ao wi-fi com frequência, compre um cartão, cujo preço varia em função do volume de dados.

A internet móvel tem cobertura em grande parte do país, exceto nas zonas mais rurais e áreas remotas. O mais económico é comprar um cartão SIM no aeroporto, ao chegar ao Nepal. Estas costumam ser vendidas em packs de conexão 3G ou 4G com diferentes gigas por mês. Costumam solicitar passaporte, foto e preencher um formulário para poder comprá-las.


Corrente elétrica.

No Nepal, a voltagem comum é 230 V, a frequência é 50 Hz e as tomadas são compatíveis com as de Portugal, de tipo C. Em princípio, não será necessário adaptador, mas no Nepal também existem tomadas dos tipos D e M.

Não se surpreenda se no seu alojamento encontrar uma programação detalhada com cortes de eletricidade, que costumam durar várias horas por dia e são mais longos nas épocas de chuva. Estes cortes permitem o abastecimendo de eletricidade em todo o país. No entanto, os alojamentos de uma maior categoria têm geradores de energia.

Utilizamos cookies para te proporcionar a melhor experiência possível. Mais info.

fechar