Os 10 templos mais bonitos do mundo


Descubra a lista com alguns dos mais belos templos do mundo.

Não importam quais são as suas crenças, visto que todos os viajantes se comovem ao visitar estes impressionantes templos, muitos dos quais pertencem às principais religiões do mundo. Preste atenção ao que a inspiração divina pode criar: desde templos conhecidos como Angkor Wat no Camboja ou jóias ocultas como Kiyomizu-dera no Japão.

Embora o poeta britânico John Keats não tenha escrito até à década de 1800 a sua famosa citação "beleza é verdade, verdade é beleza", muitas religiões do mundo acreditam há muito tempo que a verdade espiritual, assim como a inspiração, força e paz, podem promover a criação de um ambiente de grande beleza. Alguns dos templos mais antigos do mundo estão abandonados e outros continuam a dar as boas vindas aos fiéis, mas todos inspiram o viajante a um momento ou dois de reflexão e muitas fotografias.


1. Angkor Wat, Siem Reap, Camboja.

Nas redondezas da cidade de Siem Reap, a norte do Camboja, encontra-se um vasto complexo de templos antigos tão impressionante que se converteram em Património da Humanidade e num símbolo nacional. Sabia que o Angkor Wat é o maior templo do mundo? Na década de 1960, a primeira dama dos Estados Unidos, Jacqueline Kennedy, aventurou-se em visitá-lo apesar da guerra que existia no Vietnam. Mais recentemente, neste local foram filmadas partes do filme de Tomb Raider, com Angelina Jolie.

O templo principal é uma estrutura do século XI que começou como uma homenagem ao deus hindu Vishnu, e depois passou a ser, no século XVI, um dos maiores templos budistas do mundo. É tudo um exemplo da arquitetura do Camboja: com três galerias retangulares, torres centrais e detalhes elaborados em baixo relevo que ilustram cenas da mitologia indiana. Angkor Wat é o templo melhor conservado da região e o seu uso é muito regular desde a sua criação. Hoje em dia, os visitantes chegam ao nascer do sol e ao pôr do sol para tirar as melhores fotografias.


2. Templo Dourado, Amritsar, Índia.

Também conhecido como o Templo de Ouro, este lugar sagrado é o mais famoso Gurdwara, ou "porta de entrada aos Gurus", para os sijs na Índia. A construção inicial começou em 1588; a capa externa é de ouro com mármore de estilo islâmico com pedras preciosas que se adicionaram a princípios de 1800. Rodeado de um lago sagrado, conhecido como Amrit Sarovar (piscina de néctar), o Gurdwara tem quatro entradas. No seu interior, encontramos santuários para os gurus sijs e santos, trabalhos decorativos em mármore e placas que comemoram acontecimentos históricos, entre eles um monumento aos soldados sijs das guerras mundiais.

Hoje em dia, este templo é um lugar de peregrinação popular. Os hóspedes podem ver a procissão noturna da Sagrada Escritura, e mais de 35.000 pessoas por dia são alimentadas de forma gratuita na cantina e até se voluntariam para ajudar nas tarefas do templo.


3. Templo do Céu, Beijing, China.

Situado em torno de uma estrutura circular apontada para o céu, este templo está localizado a sudeste de Pequim e foi construído a princípios de 1400 pela dinastia Ming, o Imperador Yongle, que supervisionou a criação da Cidade Proibida. Durante os seguintes séculos, imperadores e nobres visitaram o templo (renomeado Templo do Céu Templo do Céu no ano 1500) para orar por boas colheitas, até que vários exércitos (incluindo a Aliança anglo-francesa) ocuparam os edifícios em tempos de guerra.

Declarado parque público em 1918 e Património da Humanidade pela UNESCO em 1998, o Templo do Céu tem duas salas para orar e um altar redondo rodeado por esculturas de dragões. A cor azul escura nos telhados simboliza o céu.


4. Casa de Adoração Bahá’í (Templo de Lótus), Nova Deli.

Conhecido como o Templo de Lótus devido à sua forma, a Casa de Adoração Bahá'í atraiu mais de 70 milhões de visitantes desde a sua abertura em 1986, convertendo-se num dos edifícios mais visitados do mundo.

A estrutura foi desenhada pelo arquiteto iraniano Fariborz Sahba e é composta por 27 "folhas" colocadas de tal maneira que formam nove lados independentes; a superfície exterior está coberta por painéis de mármore branco do Monte Pentélico, na Grécia. Nove portas levam a uma grande sala, aberta a pessoas de todas as religiões. Também vale a pena conhecer as suas nove lagoas e extensos jardins repletos de plantas e flores. É frequentemente chamado por "Taj Mahal do século XX" e ganhou inúmeros prémios de arquitetura e desenho.


5. Mosteiro Palphug Taktsang, Vale de Paro, Butão.

A sua incrível localização, numa falésia, ajudou a tornar este local sagrado numa das sessões de fotografia mais populares do Butão. Também conhecido como Ninho do Tigre, este complexo de monges budistas dos Himalaias está junto a uma montanha de granito acima do alto vale de Paro. Dizem que foi uma caverna próxima a este mosteiro que o Guru Padmasambhava (também conhecido como Guru Rinpoche), o homem santo ao que se atribui a introdução do budismo no Butão no século XVIII, meditou durante três meses antes de ressurgir como oito reencarnações espirituais.

Hoje em dia, o complexo inclui um mosteiro, residências, quatro templos e cavernas de meditação; na caverna original de Rinpoche encontra-se a Sagrada Escritura e uma dúzia de pinturas à luz de velas. O mosteiro principal teve que ser reconstruído parcialmente devido a um incêndio em 2005. Os edifícios estão construídos de tal forma que estão em harmonia com o ambiente natural.


6. Shwedagon Pagoda, Yangon, Myanmar.

Também conhecido como The Grand Pagoda ou Pagoda de Ouro, segundo a legenda, a pagoda tem mais de 2500 anos e foi fundada por dois irmãos que viajaram à Índia, conheceram Buda e regressaram com oito cabelos da sua juba. Quando os cabelos foram colocados ao lado das relíquias dos Budas anteriores, dizem-se que milagres começaram a acontecer, desde a cura da surdez até ao florescimento de árvores nos Himalaias.

Os historiadores e arqueólogos datam o pagoda entre os séculos 16 e 20, mas todos concordam que, devido à presença dessas importantes relíquias, este é um dos locais mais sagrados para os budistas birmaneses. O pagoda possui vários níveis, tem um diamante de 76 quilates e está coberta de ouro, doado por gerações e gerações do povo birmanês. A tradição começou na década de 1400 quando uma rainha doou o seu peso em ouro, e continua até aos dias de hoje.


7. Wat Rong Khun, Chiang Rai, Tailândia.

Este templo foi construído pelo artista Chalermchai Kositpipat entre 1998-2008, em Chiang Rai, na Tailândia. O Templo Branco, como é conhecido, parece um palácio de inverno de uma rainha de um conto de fadas, com uma estrutura completamente branca. O templo honra a fé budista: a cor branca representa a pureza de Buda, os cristais e detalhes brilhantes representam a sabedoria de Buda, e a ponte significa o ciclo de reencarnação.

No interior, as paredes, o chão e o teto da sala de atos estão decorados com pinturas douradas de diferentes temáticas, desde os mundos espirituais até personagens de filmes como o Batman, Superman, Predador e Keanu. O complexo ainda está em construção (data de conclusão prevista em 2070) e, na sua totalidade, incluirá nove edifícios incluindo uma sala de relíquias, zonas de meditação e uma galeria de arte.


8. Kiyomizu-dera, Quioto, Japão.

Este templo budista é considerado Património da Humanidade pela UNESCO e está situado em Quioto. Embora existam vários templos como este desde os finais de 1700, esta estrutura atual foi construída em 1633 e foi chamada de Kiyomizu (ou "água pura"), em homenagem à cascata situada no complexo.

A sala principal tem 139 pilares com uma grande altura, uma estátua com 11 caras e mil braços do deus Kannon e os seus espaçosos terraços destacam-se nas encostas circundantes de cerejeira. Em Kiyomizu-dera tem santuários para vários deuses, entre eles Jishu, e 200 estátuas de pedra de Jizo, o protetor das crianças e dos viajantes, onde é possível rezar por um parto seguro.


9. Templo Ulun Danu Bratan, Bali, Indonésia.

Próximo a Tanah Lot, este templo da água é um dos templos do mundo mais emblemático e fotografado em Bali. O templo que aparece nas notas da Indonésia, foi construído em 1633 na margem oeste do lago Bratan e é uma homenagem ao deus Shiva, assim como ao lago local e à deusa do rio Dewi Batari, que, para os locais, protege esta região com água suficiente para a colheita.

O lago e a sua deusa também garantem a fertilidade, razão pela qual muitas cerimónias são realizadas neste templo. O complexo é constituído por quatro templos em torno de uma torre de 11 andares, que homenageia Shiva e a sua esposa Parvati.


10. Templo Taoísta, Cebu, Filipinas.

O Templo Taoísta está localizado na ilha de Cebu, nas Filipinas. Financiado principalmente pela comunidade chinesa de Cebu, o templo foi construído em 1972 e é utilizado como centro para as práticas taoístas. Existem três entradas distintas a este colorido templo. Uma das entradas foi desenhada para evocar a Grande Muralha da China e o complexo tem uma capela, um poço dos desejos, uma biblioteca e uma loja, esculturas de dragões e vistas panorâmicas sobre o centro.

Tenha em conta que os destinos aos que terá que viajar para visitar estes 10 templos são caros e requerem uma planificação de viagem com vários meses de antecedência (documentos de viagem, vacinas, reserva de excursões, etc). Dentro desta planificação entra a contratação de um seguro de viagem que o permita viajar com mais tranquilidade, e evitar gastos derivados de assistência médica de qualidade em caso de doença ou acidente, perda ou roubo de bagagem ou documentos de viagem e cancelamento de voos, hotéis e/ou excursões.

Por outro lado, se entre os motivos destas viagens está a prática de desportos, é recomendável contratar um seguro desportivo que, em caso de acidente, cubra os gastos de assistência médica, resgate ou aulas contratadas não desfrutadas.

Utilizamos cookies para te proporcionar a melhor experiência possível. Mais info.

fechar