12 conselhos indispensáveis para viajar para Marrocos


Tudo o que precisa saber antes de viajar para Marrocos.

Alojar-se num riad, perder-se pela medina, aceitar um chá com menta, fazer uma excursão pelo deserto, fotografar o palmeiral, visitar um hamman, visitar a cidade azul, respirar a brisa da costa atlântica... A lista de coisas que podemos fazer e ver em Marrocos é infinita e irresistível. Para desfrutar de todas as possibilidades que oferece o país africano, tenha em consideração as seguintes recomendações de viagem.

Documentos, normas e hábitos a ter em conta, seguro de viagem a Marrocos, como mover-se, onde comprar e comer, como pagar... Este guia irá servir para planear a sua viagem corretamente, com todos os conselhos para viajar para Marrocos.

Viajar até ao espaço Schengen

1. Quando viajar para Marrocos?

Marrocos tem um clima privilegiado praticamente durante todo o ano, devido à sua localização geográfica. No entanto, a época mais propícia para visitar o país é na primavera, momento em que as temperaturas são mais mais quentes e as paisagens mais bonitas. O outono é igualmente uma boa estação para visitar Marrocos.

Durante o verão, a zona mais recomendável é a costeira porque o clima é menos quente, quando comparado com o resto do país. Por esta razao, viajar para Marrocos em Agosto é apenas recomendável na zona costeira. Muitas praias marroquinas na costa do Atlântico e no Estreito são de mar aberto, com fortes correntes, pelo que deve ter um especial cuidado. Águas como as de Essaouira são ideais para praticar surf. Os fãs de trekking geralmente aproveitam esta estação para descobrir o norte do país ou a cordilheira do Atlas.

Se escolher viajar para Marrocos na primavera ou no verão, deverá ter em conta quando é celebrado o Ramadão. Durante esta festividade, muitos marroquinos aproveitam tirar as suas férias e desfrutar. Além disto, é normal encontrar muitos estabelecimentos fechados durante o dia. Durante o Ramadão, o país tem um encanto especial durante a noite, principalmente no mercado. 

Se decidir visitar Marrocos durante o inverno, terá à sua disposição a temporada de esqui, que normalmente decorre entre os meses de dezembro e março. Pode aproveitar do clima frio para conhecer o sul do país e as regiões desérticas.


2. Viajar para Marrocos: documentos necessários.

Os cidadãos portugueses apenas necessitam de um passaporte para viajar a Marrocos (em vigor com um mínimo de 3 meses), não sendo necessário visto.

Ao entrar e sair de Marrocos, deverá preencher um impresso com os seus dados pessoais e sobre a sua estadia. Este procedimento é feito na Alfândega ou a bordo do ferry. 

A estadia máxima legal permitida para turistas é de três meses ao ano. Se deseja prolongá-la, dirija-se ao posto de imigração. 

Antes de começar a sua viagem, consulte as recomendações para viajar a Marrocos do do Ministério dos Negócios Estrangeiros e inscreva-se no Registo do Viajante.


3. Conselhos de saúde.

- Não existem vacinas para viajar a Marrocos obrigatórias. No entanto, são recomendáveis, além das vacinas sistemáticas (BCG, Hepatite B), as vacinas contra a febre tifóide, Hepatite A, poliomielite, cólera e tétano. É também recomendável viajar com um repelente de mosquitos e anti-insetos. Para mais informações, contacte com o Centro de Vacinação Internacional.

- Intoxicações alimentares: um dos maiores riscos é a água, sobretudo fora das cidades principais. Por isso, procure beber sempre água engarrafada ou fervida - no caso de infusões e chás -, evite comer frutas e vegetais sem cozinhar e recuse o gelo. Além disto, devido às altas temperaturas, evite alimentos expostos sem sistema de refrigeração, assim como comer em estabelecimentos que não apresentem as medidas de higiene adequadas.

- Sol: proteja-se do sol com protetor solar de fator alto e beba líquidos com frequência, especialmente nos dias mais calorosos.


4. Seguro de viagem a Marrocos.

Em Marrocos, as principais incidências em viagem estão relacionadas com assistências médicas por doença e roubos de bagagem. As infraestruturas médicas em Marrocos são razoáveis nas principais cidades, no entanto, estas podem ser precárias nas zonas rurais. Em algumas zonas o atendimento médico pode ser insatisfatório e a qualificação do pessoal médico pode estar abaixo dos standards. Caso pretenda ter acesso a um tratamento complexo será necessário recorrer a clínicas privadas, o que supõe um maior custo.

Por este motivo, é importante ter consigo um seguro de viagem que conte com um amplo limite de gastos médicos em centros privados e em repatriamento.

Com o seguro de viagem Totaltravel da InterMundial terá a cobertura necessária durante 24 horas em caso de acidente ou doença (assistência sanitária, hospitalização, exames diagnósticos, medicamentos, transporte sanitário) e contará com a proteção mais completa durante a sua viagem: repatriamento, atraso ou perda de bagagem, demoras, perdas de serviços contratados e cancelamento ou interrupção da viagem, entre outros.

Se vai visitar Marrocos para realizar desportos de aventura, tenha atenção às seguintes atividades: parapente, escalada ou espeleologia, além de dirigir quadriciclos e outros veículos a motor, pois os meios e recursos de procura e resgate podem ser limitados. Para agilizar e cobrir os gastos deste tipo de operações tão importantes, recomendamos contratar um seguro desportivo como o Totalsports, que oferece as melhores coberturas tanto a praticar desportos - assistência médica, gastos de reabilitação ou problemas com o material desportivo, entre outros - como no resto da viagem.


5. Normas e segurança.

Viajar para Marrocos é seguro, sobretudo nas cidades onde existe uma alta presença policial. No entanto, pode ser perigoso viajar a Marrocos se nãotiver alguma precaução quando andar pela rua. De forma a evitar roubos não leve todo o dinheiro consigo, guarde bem os documentos e não exiba objetos de valor, como jóias e dispositivos eletrónicos. Não se deixe enganar por guias não oficiais ou revendedores. Evite áreas de risco como as zonas militares e as áreas desertas sem sinalização. Mais concretamente, evite as montanhas Rif, a área de Ketama e ignore quem tentar vender substâncias ilegais aos turistas.

Devido à sua cultura, em Marrocos não está bem visto o uso de roupas muito chamativas, sem mangas ou que não cubram as pernas. A prática de outros cultos religiosos está permitida mas o proselitismo é proibido. As relações homossexuais podem estar sujeitas a processo criminal.

Antes de fotografar um edifício público, é recomendável pedir autorização ao agente policial mais próximo.


6. Transporte a utilizar para visitar Marrocos.

- Carro: tem a possibilidade de embarcar num ferry desde os portos de Almería, Málaga, Algeciras, Tarifa ou Motril até Ceuta, Melilla, Alhucemas, Tánger ou Nador.

Para entrar no país em carro e conduzir em Marrocos são necessários os seguintes documentos: carta de condução, licença de circulação, seguro internacional ou green card, Certificado de Importação Automóvel D16Ter (disponível online) a preencher na Alfândega, com as informações do proprietário, número de passaporte, identificação da infraestrutura, modelo e marca do automóvel, matrícula e data da matrícula. Se o veículo não estiver no seu nome, deverá levar uma autorização válida pelo seu consulado ou embaixada da pessoa ou empresa proprietária, para poder conduzir este veículo em Marrocos. Apenas está permitido entrar um veículo por pessoa, pelo que este ficará associado ao seu número de passaporte. Ao sair do país pela fronteira, deverá retirar o Certificado de Importação Automóvel do veículo.

A rede de autoestradas é aceitável. Conduza com precaução, não só pela imprudência de muitos motoristas, mas também por causa do cruzamento de pessoas e animais de maneira inesperada.

As estradas marroquinas são perigosas em termos de tráfego intenso e má manutenção, sobretudo em estradas secundárias.

- Avião: é o meio mais cómodo, económico e rápido para chegar a Marrocos. O país tem 15 aeroportos internacionais e nacionais. Os mais importantes sao: Casablanca (Mohammed V), Tánger (Boukhalef), Rabat (Salé), Fez (Saïss), Agadir (Al Massira), Marrakech (la Ménara), Oujda (Angad), Alhucemas, Tétouan e Ouarzazate. Desde Portugal é possível comprar voos diretos a Marrocos com a TAP, Royal Air Maroc e Germania.

- Comboio: Marrocos possui um sistema ferroviário (ONCF) que conecta as principais cidades (Marrakech, Fez, Tanger, Casablanca, Rabat...). Os comboios costumam ser pontuais e cómodos e têm ar condicionado. Os mais rápidos estão na linha Casablanca-Rabat. No sul do país existe um bilhete que combina o comboio com o autocarro.

- Táxi: muito utilizado pelos turistas para percorrer as cidades e localidades próximas. Se quiser apanhar um táxi em Marrocos, peça ao taxista para ligar o taxímetro. Se não tiverem este aparelho ou se se negarem em ativá-lo, deverá negociar um preço antes de iniciar o trajeto. Se não quiser viajar com desconhecidos, compre todos os lugares do táxi, visto que até que não sejam comprados todos os lugares, o condutor não inicia a viagem. Além do mais, existem taxistas que transportam mais passageiros do que os que são permitidos. Em Marrocos existem dois tipos de táxi:

1. Petit Taxi: têm cores vivas e uma capacidade para três pessoas. Circulam apenas dentro da cidade. Não recolhem viajantes nas paragens estabelecidas, para pará-lo deverá fazer um gesto com a mão. Costumam reunir-se em torno a estações de autocarro e de comboio. O preço dos petit taxi oscila entre 10-25 dirhams. A tarifa aumenta à noite.

2. Gran Taxi: têm uma grande cilindrada, permitem até seis pessoas e cobrem também trajetos interurbanos. A sua cor varia segundo a cidade a que pertençam. Além disto, têm uma pequena placa de identificação no teto e nas portas do veículo.

Autocarro: estão presentes na maioria das cidades e costumam ser o meio mais barato para movimentar-se. O preço médio de um bilhete ronda os 2 dirhams. A viagem pode ser lenta e incómoda, já que existe pouco espaço entre as cadeiras e normalmente estão ocupadas.

Camioneta: a empresa mais importante é a CTM, conecta a maioria das cidades e dispõe de uma maior e mais cómoda frota, e também mais cara. É possível adquirir os bilhetes online. Ao visitar Marrocos desde Espanha em autocarro, o preço da viagem inclui também o trajeto em ferry. No entanto, a viagem é mais larga e incómoda, visto que antes de cruzar o estreito, todos os viajantes devem passar pela Alfândega e imigração.


7. Moeda e meios de pagamento.

- Numerário: a moeda oficial de Marrocos é o Dirham. Atualmente, a taxa de câmbio é de aproximadamente 1€=10,66 dirhams. Existem notas de 200, 100, 50, 20 e 10 dirhams. E as moedas são de 10, 5 e 1 dirham e 50, 20, 10 e 5 cêntimos.

Tenha em conta que o dirham é uma moeda restrita, pelo que não pode levá-la do país e só é possível obtê-la em Marrocos, ou seja, esta moeda não está disponível no estrangeiro. Não existem restrições quanto à entrada de moedas estrangeiras, no entanto, estas devem ser declaradas. 

Troque as moedas apenas em casas de câmbio oficiais, identificadas por um crachá dourado, pois trocar moedas na rua é ilegal. Não são cobradas comissões e é entregue um recibo que deve ser conservado até à data de retorno, para trocar o dirham restante para a moeda do seu país de origem.

Nos hotéis, restaurantes e bazares das grandes cidades, o pagamento com moeda estrangeira é aceite, mas corre o risco de que o câmbio aplicado não seja equivalente à taxa de câmbio do dia, o que não acontece se o pagamento for efetuado com cartão de crédito.

- Cartões de crédito: os principais cartões de crédito são aceites, mas verifique com o seu banco a possibilidade de usá-los em lojas e caixas automáticas, além das taxas e comissões.

- Caixas automáticas: É possível levantar dinheiro destas caixas automáticas nas cidades principais. Nas localidades mais pequenas ou rurais podem não existir. A maioria dos hotéis internacionais têm caixas automáticas. 


8. O que pode levar ou trazer de Marrocos?

Está proibido entrar em Marrocos com dirhams, armas (exceto as de caça e com autorização), estupefacientes, objetos contrários às boas maneiras e à ordem pública (publicações sobre sexo ou críticas à situação política e publicidade religiosa) e drones, mesmo que estes últimos sejam recreativos.

Existem produtos cuja importação está sujeita a limitações: tabaco (200gr.), bebidas alcoólicas (1 garrafa de vinho de 1 litro e outra de álcool de alta graduação), colónia (250 ml.), perfume (150 ml.), produtos pessoais ou presentes (o seu valor não pode superar os 2.000 dirhams). Pode importar temporalmente objetos destinados ao seu uso pessoal ou profissional, como câmera fotográfica, câmara de vídeo, binóculos ou leitor de discos. Todos estes objetos deverão ser exportados no final da sua estadia.

Para os animais e produtos de origem animal é necessário um certificado veterinário. Para os vegetais, um certificado fitossanitário.


9. Uso do telemóvel e Internet.

Verifique na sua operadora telefónica se tem alguma taxa de roaming para chamadas e dados móveis ativada por padrão ou não, para evitar surpresas no valor da sua fatura ao regressar da viagem. Lembre-se de desligar o roaming de dados móveis para que o seu telemóvel não se conecte automaticamente à Internet. Tenha em conta que ao estar no estrangeiro e receber chamadas, ambas as partes pagam. Receber mensagens não tem custo, mas enviar sim.

As operadoras telefónicas que existem em Marrocos sao Maroc Télécom, Méditel e Wana. A cobertura é boa, com exceção nas zonas rurais ou desertas

Se usar o telemóvel com frequência, o mais recomendável é que compre um cartão SIM com tarifa pré-pago de alguma destas operadoras telefónicas. Assegure-se de que o seu telemóvel está desbloqueado.

Outra opção para poder realizar chamadas desde Marrocos é fazê-lo através dos télé-boutique e cabines telefónicas, que funcionam com moedas e cartões pré-pago à venda em correios e tabacarias.

Encontrar uma rede Wi-Fi gratuita é mais habitual em hotéis do que em cafeterias e outros estabelecimentos. Existem cibercafés. Talvez fique surpreso por saber que em Marrocos não se podem realizar chamadas gratuitas pela Internet, ou seja, ao utilizar aplicações como Skype, WhatsApp, Viber, Messenger ou Facetime não é possível realizar chamadas. Em Marrakech o "PocketWiFi" está disponível por 5€/dia. Apanha todos os sinais 3G/4G e permite conectar vários aparelhos ao mesmo tempo.

Guarde na sua agenda o número de emergência e anote os dados da Embaixada e/ou Consulado, assim como o número de apólice e assistência 24 horas do seu seguro de viagem.


10. Onde, como e que comprar.

Uma das grandes atrações turísticas em Marrocos é a sua rica e abundante artesania local, onde é possível encontrar preços muito em conta, sobretudo se soubermos negociar.

Passear pelas ruelas e observar as coloridas peças artesanais é experiência enriquecedora. Existem muitos artesãos que produzem as peças na própria loja, onde podemos vê-los trabalhar.

Cada cidade tem a sua típica artesania: Rabat: bordados e tapetes; Casablanca: marroquinaria e tapetes de Mediouna; Meknes: trabalho de madeira e mosaicos; Fez: alfareria azul; Marrakech: couro e especiarias. Caso tenha alguma dúvida ou reclamação sobre a compra de uma peça artesanal, dirija-se à Delegação Local do Ministério de Artesania.

Se não conseguir resistir a uma compra, nunca aceite o primeiro preço que o comerciante oferecer, visto que este será muito superior ao que realmente pode pagar após uns minutos de negociação. Seja paciente e negocie. Não se desanime se passar mais de 10 ou 15 minutos a negociar. Provavelmente o convidam para um chá. Deixaremos aqui alguns truques para negociar com êxito em Marrocos:
- Não mostre muito interesse ou emoção pelo objeto escolhido.
- Nunca seja o primeiro a colocar o preço inicial.
- Não demonstre que tem muito dinheiro ou que no seu país de origem o artigo é mais caro ou difícil de conseguir.
- Divida por dois ou por tres o primeiro preço que o comerciante pedir.
- Nao fique chateado nem desesperado. Sorria. A negociação é uma forma de manter um vínculo social.
- Não recuse a oferta após fechar o acordo porque pode ofender o comerciante.
- Se não conseguir negociar, é preferível comprar em lojas onde os preços sejam fixos.


Todo o território de Marrocos pertence ao mesmo fuso horário: UTC+01:00, sendo que não há mudança de horário em no país. As grandes superfícies abrem de segunda a domingo das 10:00 às 22:00. Os comércios mais pequenos têm um horário parecido ao português, embora fechem um pouco mais cedo. As medinas costumam fechar às sextas feiras e abrir aos domingos. Os bancos permanecem abertos durante poucas horas ao dia, umas três durante a manhã e duas durante a tarde. A atividade da administração pública é interrompida ao meio dia e reabre até ao meio da tarde. Os museus costumam estar fechados às quintas e às sextas feiras pela manhã.


11. Comida típica de Marrocos.

Não regresse de Marrocos sem provar pratos típicos como o cuscuz com carne, verduras e ervilhas; o tagine de carne ou peixe, méchoui ou cordeiro assado; sopa harira de carne, verdura e legumes, típica durante o Ramadão; a pastela, uma massa folhada recheada com carne ou peixe; o kefta, rolos de carne picada colocadas em palitos de madeira. Como lanche, os bolinhos ou rghaif (bolos de massa frita) ou um dos doces feitos com frutas secas ou o clássico chá de menta moruno.

Onde comer? A opção mais económica é nos locais ambulantes ou nos de comida rápida, no entanto, deverá ter em atenção as suas medidas de higiene. Normalmente vendem sandes ou kefta e chá ou refrigerantes. No centro das cidades existem as clássicas cadeias de fast food de hambúrgueres e pizzas. 

Para tomar o pequeno almoço ou lanchar pode ir a uma cafeteria. Nos restaurantes populares, onde costumam ir os habitantes locais, é possível ter uma refeição equilibrada e variada por um preço económico (6-15 euros). 

Os restaurantes de luxo dos grandes hotéis ou zonas turísticas têm uma pior relação qualidade/preço, embora sejam mais limpos e tenham um bom serviço. Permitem o consumo de álcool, mas a preços mais elevados.

As leis sobre o álcool são bastante liberais para os turistas. Vinhos nacionais, cervejas e água mineral são muito mais baratas que as bebidas importadas.

Relativamente à gorjeta, costuma ser 10% para grandes contas. Caso contrário, cerca de 5 dirhams são suficientes.


12. É prático viajar com um animal de estimação a Marrocos?

Se deseja visitar Marrocos com um animal de estimação, consulte a normativa marroquina relativamente à admissão e a existente na Europa para poder regressar a Portugal com o seu animal, dada a existência de surtos isolados de raiva em Marrocos.

Não é comum ter um animal de estimação em Marrocos. Além da dificuldade de aceder a lojas ou serviços pet friendly, encontrar um veterinário nas cidades não é tão fácil como nas cidades europeias. As clínicas veterinárias e as principais cadeias de supermercados (Marjane, Aswak Assalam ou Acima) têm produtos de alimentação e de cuidado para animais de estimação.

Utilizamos cookies para te proporcionar a melhor experiência possível. Mais info.

fechar